Isla, a única menina no mundo com a doença popularizada pelo filme de “Benjamin Button”

Chama-se Isla Kilpatrick-Screaton, tem apenas dois anos, e faz lembrar a história de “Benjamin Button”, retratada por Brad Pitt em “O Estranho Caso de Benjamin”. Porém, ao contrário do que acontece no filme, a menina não vai ficando mais nova com o passar dos anos.

Isla sofre de displasia mandibuloacral e é a única no mundo com esta doença que se caracteriza pelo envelhecimento precoce e pelo tamanho reduzido do paciente, no caso da menina traduz-se em apenas sete quilos de peso.

Esta doença tem como características a mandíbula e clavícula subdesenvolvidas, a deterioração da pele, perda de gordura corporal e os ossos curtos nas pontas dos dedos das mãos e dos pés. A doença causa ainda um aumento do risco de diabetes tipo dois, pressão arterial elevada, doenças renais e cardiovasculares, tudo sintomas característicos em pacientes com uma idade avançada. Isla sofre também com problemas respiratórios.

Isla envelhece de forma muito precoce e rapidamente aparentando ser mais velha do que realmente é. O desenvolvimento das competências habituais de uma criança com dois anos também ocorreu de forma lenta para a menina que só começou a gatinhar agora. Também ainda não fala e comunica com os pais por língua gestual.

A menina nasceu com um peso saudável mas logo nos primeiros dias de vida teve de ser mantida numa incubadora. Quando veio para casa, os pais repararam que a Isla não estava bem pois não conseguia mamar como os outros bebés.

Às seis semanas de vida, Isla voltou ao hospital e só depois de muita pesquisa – cerca de seis meses – é que os médicos a conseguiram diagnosticar.

A mãe de Isla afirma que esta é uma menina feliz e que muitas vezes a chama de “avó” num gesto de carinho e também brincadeira.