Sem abrigo escurraçado de café

6yaaexI

Esta historia está a circular nas redes sociais e que está a chocar o mundo em que uma cliente presenciou esta infeliz história que presenciou numa pastelaria em Olaias

“Hoje às 8:20, este senhor entrou neste café, disse Bom dia e pediu um galão e uma sandes mista.

A resposta foi: “e dinheiro?”

Agora pergunto eu, não fará parte da educação responder com um bom dia? Continuando, o senhor pôs a mão ao bolso e tirou uma quantidade de moedas e disse, tenho aqui!
Segunda resposta: “está bem, agora vai para a rua, não te quero aqui!”

Será que vão inventar um símbolo para colocar nos estabelecimentos para os sem abrigo, idêntico ao dos animais?

Estou a imaginar um símbolo redondo com a parte exterior em vermelho e a imagem de um homem meio corcunda com uns sacos a dizer: “NÓS FICAMOS CÁ FORA”. Por amor de deus, que mundo é este? Este homem ficou 25 minutos à espera do seu galão e da sandes, olhou várias vezes para dentro do estabelecimento e ninguém o serviu. Depois de pedir a minha conta pedi, um galão e uma sandes mista, não demoraram 3min, levantei-me e coloquei a comida na mesa do homem e pedi a conta, ainda me perguntou o que ia pagar..

Olhei para a mulher e pensei dizer-lhe que ela não sabe o dia de amanhã, mas depois de tanta amargura, achei melhor não o fazer, o universo encarrega-se disso. Não julguem as pessoas, ninguém sabe a história do outro, e pequenos gestos fazem toda a diferença.”

A resposta da pastelaria em causa não demorou a chegar com este comunicado

“Informamos que o consta de uma publicação, onde somos visados, e que foi posta a circular nesta rede social, não corresponde à verdade, e foi totalmente retirada do contexto.

Entendemos que retirando assim a situação de contexto possa provavelmente não parecer a mais correcta. No entanto para se fazer um juízo de valor de uma situação deste âmbito, manda o bom senso, que deve ser no mínimo investigado o contexto em que ela foi tida, sob pena de se poder estar a cometer um crime por difamação.

Como esclarecimento, e contextualizando um pouco a situação, podemos referir que:

• O Luís, Sr. que aparece referenciado na foto da publicação referida, frequenta diariamente o nosso estabelecimento há mais de 20 anos. Se fosse mal tratado porque voltaria sempre ao mesmo estabelecimento?

• É frequente, ser oferecido não só ao Luís, como também a outras pessoas carenciadas que frequentam a zona, pão, bolos e salgados. Isto acontece diariamente, e não apenas como um acto isolado.

• No final de cada dia, fazemos ainda distribuição de pão e bolos que sobraram por muitas pessoas, que já conhecendo a situação, se deslocam ao nosso estabelecimento com o intuito de obter alimentos gratuitos. Quem não souber, e pretender comprovar esta situação, basta que se desloque ao nosso estabelecimento, ou que se informe com as pessoas locais.

• Muita da roupa que o Luís veste foi, e é oferecida variadas vezes por nós.

• O Luís, não poucas vezes, insulta não só os funcionários como os nossos clientes, pois infelizmente padece de uma doença do foro psicológico, nunca tendo por isso sido recusado o atendimento no nosso estabelecimento.

• O estado de higiene do Luís por norma, e até compreensivelmente, não é o melhor, no entanto nunca lhe foi recusado, também por isso, o atendimento no nosso estabelecimento.

• Não querendo entrar em pormenores, apenas podemos informar que o Luís tem uma divida bastante substancial para com a empresa, da qual sabemos que -provavelmente não iremos ser ressarcidos. O mesmo acontece com outras pessoas carenciadas da zona. Quem tem um estabelecimento similar aberto ao publico, de certo que compreende e se reconhece nesta situação.

• Patrocinamos as instituições e colectividades do bairro, e somos reconhecidos por isso. Inclusivamente, numa base periódica fazemos donativos a instituições como a AMI e a Comunidade Vida e Paz, entre outras.

Não compreendendo os motivos por de trás desta publicação, iremos apurar responsabilidades de tal acto, e utilizar os mecanismos legais que temos ao nosso dispor.

Se depois desta explicação, tiver ainda alguma questão, não hesite em nos contactar.

Atentamente,
A Gerência”