Voluntários que imprimiram válvulas para tratamentos à COVID-19 por 1€ podem agora ser processados

Um fabricante de dispositivos médicos em Itália ameaçou processar um grupo de voluntários que imprimiu em 3D uma válvula usada para tratamentos de COVID-19.

O fabrico da válvula custa normalmente cerca de 10 mil euros, mas os voluntários conseguiram imprimir réplicas por cerca de um euro.

O stock das válvulas estava a esgotar num hospital em Itália, que precisava delas para o tratamento dos pacientes com COVID-19, e o fornecedor habitual não conseguia fábrica-las em tempo útil.

O hospital procurou uma alternativa para o fabrico das válvulas e descobriu Cristian Fracassi e Alessandro Ramaioli, da Isinnova, uma startup italiana, que se ofereceram para imprimir as válvulas de que o hospital necessitava.

Cristian e Alessandro contactaram a empresa médica que produz as válvulas a pedir os desenhos, de modo a facilitar a criação do modelo 3D necessário para a impressão, que recusou.

Após a recusa, avançaram com medições às válvulas originais para conseguirem replicar o desenho necessário para a impressão 3D e acabaram por criar três versões diferentes.

A ministra italiana para a inovação tecnológica, chegou mesmo a felicitar Cristian e Alessandro por terem conseguido produzir as válvulas e ajudar no tratamento dos doentes com COVID-19.

Agora, a empresa que fabrica as válvulas ameaçou processar Cristian e Alessandro por violação da patente.

Voluntários que imprimiram válvulas para tratamentos à COVID-19 podem ser processados.